Olhar N'água


       A calmaria do mar sobrepõe qualquer sentimento na maresia de condolências. Distante ficam os pensamentos oriundos de problemas e complicações da mundana vida, disfarçados de interesses e projeto estão nossos sonhos e perspectivas, que nos deixam cada dia mais focados em coisas próprias e esquecemos do natural.
       Não troque o olhar ao natural, ao belo, ao milagre divino pelos devaneios do pecado. O que é mais prático e salutar pode não ser o mais saudável e peculiar proveitoso, tanto em momentos quanto em pessoas. Habitual correria não perdoa a boa intenção de descansar, porém almeja o bem estar do balanço de uma rede, do boiar sobre uma prancha, de uma caminhada à beira-mar. 
       O dourado sol esquenta as salinas águas de mar aberto e areia fofa, um convite perfeito para um respirar fundo em uma terra de beleza sem igual e que, por vezes, ignoramos por motivos comuns. Precisamos de apenas poucos momentos em lugares certos para certos lugares tomarem espaço perfeito em nossa mente, seja ao natural, seja no concreto. Não precisamos ir tão longe para se sentir bem, basta caminhar até o fim da rua, dar uma sentada no gramado do jardim, continuar o percurso na praça à caminho das aulas, ver a chuva cair pela janela... Temos todo o tempo do mundo para dar uma lufada de vento em ideias tolas e pensamentos vis. 
       O olhar n'água que nos banha, que nos limpa alma todos os dias, tira cansaço do corpo, deleita-nos com várias metáforas corriqueiras ou até mesmo um simples conforto higiênico. O mesmo processo com o mar e suas variantes, idas e vindas da maré que inspira poetas e músicos, em qualquer forma de lua ou contemplação solar, com palmas ou apenas sorrisos, um piscar de olhos e tudo se foi. Foi-se preocupações e ilusões, perfeccionando palavras e sentimos no revolto mar ou calmo paradiso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Eu fui à praia sozinho.