Postagens

A Pescaria [a isca e o anzol]

Imagem
Diário de bordo,[a isca e o anzol] três de abril de outro ano, o mar continua agitado, mas não tão revolto como outrora. A capitã diz que a tempestade passou, mas continua com a cabeça erguida lendo os céus, tocando as ondas com as pontas dos dedos hora e outra, na tentativa de sentir as correntes quentes da boa sorte, nem a brisa ricocheteante em sua face faz ela parar de seguir em frente. Sua visão é firme, para o futuro, seus cabelos ficam soltos e vívidos de uma cor que acentua sua prontidão. [a isca e o anzol] Eu já permaneço sentado, ouvindo o som da maré, a capitã reclama dos joelhos, da coluna, da rigidez dos ossos que permanecem crentes que tudo vai dar certo. Meu trabalho desde o começo é ficar atento à isca e o azol, todos os dias, sempre a isca e o anzol, nada mais. Ela controla o barco, durante os dias e as noites. E mesmo não pegando nada bom por várias tentativas, ela ainda comemora a cada puxada na vara de pescar, a cada rede puxada fortemente de volta à proa, ela com…

Onde você dorme?

Imagem
Ela me perguntou desbravando a selva que é este primeiro encontro. Nunca fui bom em diálogos com novas pessoas, porque às vezes é difícil saber quando elas são sarcásticas, engraçadas ou hostis. "Onde você dorme então?", ela me perguntou pela segunda vez, ainda não tinha pensado em como responder sem parecer grosso, então logo falei "No chão". Ela olhou com dúvidas e, claro, seguiu-se por mais e mais perguntas. Dias depois, por caminho mesmo, ela acabou conhecendo tudo, e entendeu, por fim, os motivos que me trouxeram a dormir no chão. Claro, antes de tudo isso, se fosse o caso, ela iria se deparar com e mesma situação. Depois de duas mudanças eu desisti de montar a cama, só dava trabalho e ranger de madeira. Para quem tem o sono leve, qualquer som no silêncio é um trovão. Interessante é observar o quanto nosso mundo íntimo nos soa tão comum, e quando conhecemos os dos outros, acabamos comparando automaticamente, avaliando o quanto gostamos disso e daquilo, desgost…

Blackout

Imagem
Houve outro blackout, desta vez mais longo. Parece que quando nos falta energia tudo muda, mesmo que por algumas horas, já podemos sentir a diferença. Nosso ritmo desacelera em automático. Por isso, poupe energia. Seria fácil tomar sol todos os dias e continuar em atividade, mas o corpo precisa de diversos tipos de energia, e uma das principais está tão rara quanto um dia de sol sem reclamação. Houve outro blackout, fiquei atordoado quando dei por mim, tudo se apagara de repente, mas como posso terminar se o mundo se apaga? A vida nos espera enquanto estamos no vazio? Usando menos comprimidos, utilizando de mais cores durante o dia, respirando a noite do jeito que se deve fazer. A energia que falta pouco-a-pouco se coleta, é mais difícil do que parece. Fico a pensar nisto depois do apagão, ainda deitado em um gramado, o sol aquece confortavelmente, o vento gelado refresca ao seu passar, assim são algumas tardes da minha vida. Se me pedissem para voltar, logo vos diria que já não lembr…

Só mais cindo minutos

Imagem
Quando você estiver pronto, comece.
 É assim que as coisas são por enquanto. Um longo dia cheio de coisas que posso fazer sem prestar contas, sem pontuar o relógio, sem rezar por sorte, ou temer o inevitável. Os dias se passam engolidos por possibilidades, e destas já até risquei algumas impossíveis por então. É verdade que devemos nos pressionar para alcançarmos as metas que inventamos quando podamos o novo calendário, entretanto tem algumas coisas que devemos deixar para trás. Não por elas serem impossíveis ou desnecessárias, mas sim, porque temos que nos priorizar. Dar valor ao que realmente pode ser tentando, concluído. Dar esses passos de aceitação é algo perturbador, principalmente quando você chega ao ponto de dizer ao acordar: Hoje eu posso fazer qualquer coisa. E logo mais isso te dá uma descarga de dez mil volts amplificando cada sinapse real e imaginária. Você vê tudo o que pode e não pode realizar, pode ser preguiça, pode ser aventurança, pode ser paixão, pode ser comoção…

Mascavo

Imagem
O açúcar mascavo foi oferecido. Tomei outro gole do café amargo. Café. Depois de quase dois meses sem ingestão desse vício. Parece que as coisas vão se modelando ao original. Hoje, dia do amigo, avisado no fim da tarde, e logo mais saboreado por café e mais sobremesa. O alisado no cãozinho, que se treme, perdura por muito tempo. Ele, junto com outros dois, faz parte da família desses novos amigos. O carteado, o almoço aos domingos, as viagens ao exterior, os exercícios no lago, os jogos no clube... são atividades que são tratadas tão comumente, e agora em grupo, como dessas famílias de grande número de membros que se juntam e passam o dia se atualizando, se firmando o pacto de sociedade escolhida por eles. A terra vermelha é a marca que trago consigo desde dezembro. Nos embalamos em contrapontos, aqui é assim e lá é diferente, o povo, a língua, as comidas e bebidas. Estou em alto mar, em volta tudo é uma imensidão de novo antigos, que se frisam e se fazem diferentes. Comigo vem aquela…

O gato curioso

Imagem
Observamos o andar das coisas. Foram alguns comentários sobre ser e fazer que acabou desmerecendo minha atenção. Claro, isso soaria soberbo se não fosse o fato, ou melhor a ação fatal, que culminava em derradeiro desmerecer. Quando você começa a trabalhar numa coisa, dizendo que é apenas para hobby ou passar tempo, você não fica guerreando para que todas as pessoas te aprovem. Você só faz. Porque quando se busca aplausos, você que ter a noção que você está trazendo ao mundo, não textos poéticos, fotos abstratas ou músicas sensacionais, não não. Você carrega uma coisa chamada carência. Se torna um marketing forçado ocultado por bons dizeres que até poderiam ter certo sabor, mas pecam quando terminam em "favorita aqui" ou "leia por favor".
 De certo que, às vezes, você até possa fazer algo com intenção de público, mas deixe claro. Ou correrá o risco de ficar marcado como pseudo artista mercenário, que apenas luta pra ter atenção e ser aclamado por pseudo fãs. Acredit…

Solitária

Imagem
Era uma tarde como outra qualquer quando terminei de fazer as malas. Tive ajuda até o ultimo minuto. Tiramos fotos para guardar na memória aquele dia em que parti. Aquele dia que eu finalmente segui em frente, segui para onde todos diziam que era o meu lugar. Acenei em despedida para três mulheres: minha Mãe que sente minha falta até agora, a todo momento, como se nunca mais fosse me ver em vida; Ela, que sempre fez tanta coisa, representando a minha vida comum, os meus amigos, de ontem e de hoje, aqueles que passaram por mim e já não se lembram, aqueles também que me desejaram boa sorte nesse novo mundo; e também estava Aquela, que representa todos aqueles que tenho oportunidade de querer bem, de poder guiar e instruir para um futuro melhor. Elas três se despediram de mim de uma maneira um tanto brusca e ao mesmo tempo sutil. Parece que foi ontem que tudo isso aconteceu. Ouvi tanto pelo caminho, tirei fotos pelas estradas, troquei histórias, dinheiro, experiências e boa vibrações até…