Eu fui à praia sozinho.


 E, agora com a paisagem passando como se me dissesse "vem depois, mas venha", penso nas palavras dela. Talvez ela tivesse razão, ir à praia sozinho não seria algo tão desagradável. Pois bem, meus pés fritam sobre a areia fofa, mas não incomodam ao ponto do desespero, a brisa sacoleja para frente, derrubando as ondas. O refrigerante proibido é praia. Areia, mar, música aos fones, ventania, refrigerante e muito "não obrigado e não agradeço". Infelizmente, o consumo na praia é líquido, não me atrevo aos caldinhos, casquinhas de siri, e todos esses petiscos do mar, seja camarão ou qualquer tipo. 
 Estar na praia tão logo me remeteu ao passado, como eu vim sozinho, deixarei o passado para longe. Desculpe, vou ler um pouco, um Tubarão para ser mais icônico; até a volta. 



  Só voltei por dois motivos: 1) Péssimo lugar para ficar e 2) item 1 várias vezes. Não que eu seja o avaliador nacional de praias, mas o lugar que eu fiquei era péssimo e não repetirei. Fui deixado às traças-marinhas pelo fato de estar sozinho, numa mísera cadeira de praia, com um livro na mão e um guarda-sol serelepe. Chegar cedo e escolher onde ficar é a melhor coisa e, assim, fiquei estratégico, fora da passagem, longe de churrasquinhos e próximo à visão do garçom. Falhando miseravelmente em ser atendido, tinha um trio elétrico portátil por perto, não consegui identificar de onde vinha, então guardei meu praguejar. O sol batia forte, minha fome também, tudo o que tinha no cardápio (antes de ser levado violentamente da mesa) eram coisas do mar, ou seja: fome. Vale frisar que quando cheguei eram três cadeiras, uma foi tomada sem qualquer cordialidade, como se eu não fosse merecedor de qualquer justificativa, afinal de contas eu fui à praia sozinho. E, por cargas d'água alguém repetiria isso de ir sozinho? 
 Te respondo com sinceridade, pelo simples fato de querer algo e ter algo. Não precisa ser nenhum X-men para poder fazer algo que gosta numa proporção tão fácil. Morar no litoral e não ir à praia é sim desmerecer a qualidade da habitação. São pontos positivos: o sentimento de fazer algo que deixei de lado faz anos; sentir o frescor das gotículas salgadas do mar que convida ao banho; pisar em areia e mitigar a compaixão do areal tão fofo quanto firme, demonstrando como é maleável o prazer de ser; o calor que em outros lugares é terrível, lá é tão
 A praia de hoje me resgatou acontecimentos de época de férias, ao qual eu ia todo sábado encontrar amigos. Passar um tempo na sombra ao som de músicas aleatórias e boas por sinal, conversar sobre coisas e pessoas, se sentir importante por ter um ponto de encontro. Coisas que parecem tão novelísticas. 
 Agora me parece tão estúpido a narrativa de um mero dia na praia que nem me recordo a playlist, mas tinha muito de Pop, estilo Love To e Halsey, teve muito de imaginar o tubarão comendo todo mundo também. Fazer o quê? Coisas da vida. Voltar aos pequenos prazeres, porque se privar de viver é lamentável. 

Ah, outra coisa, se tiveres titubiando sobre, vai lá no http://calmacamilablog.blogspot.com.br/ e abraça a ideia. 


He walks away
The sun goes down
He takes the day but I'm grown
And in your way, in this blue shade
My tears dry on their own

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Quando bate aquela saudade.