A foto.


 Eu só percebi quando a foto caiu por entre as luzes. Parei por segundos, ouvi o refrão acabando com o mundo, daí vi nós dois. Das poucas recordações físicas que possuo, aquela foto é umas das melhores que há no mundo. Ela é perfeita. As luzes, a felicidade que te abriu os braços, o emaranhado por entre dedos, aquele dia e por acaso hoje. Sabe, talvez ninguém lembre mais daquele dia, mas a gente nunca deve esquecer daquela esquina, não é mesmo? É mesmo. 
 Novembro é um mês intrigante. É o mês em que muita coisa rara acontece, tipo o vermelhidão do crepúsculo, como -também- aquele filme sensacional que nunca fomos ver juntos... melhor nem falar sobre essas coisas, faz tanto tempo que nos perdemos que, nem sei quem nós somos mais. Nem sei quem podemos ser.
 Apanho a foto com cuidado, para não danificá-la, mas não antes de registrar essa sensação casuística saudosística minimalista e centrífuga. Afinal de contas, evoluímos todos os dias, apesar dos pesares, meus pêsames por mais um ano de tormenta e inexistência, é que crescemos e tudo virou um "vamos marcar", e acabamos marcados por essa vontade de ter um retorno no nosso ultimo "como vai?" porque de lá pra cá foi uma derradeira manifestação de vários nadas. Nadas e nadas. Do que vale fazer coisas se no concluir nem temos para quem relembrar? É um emaranhado igual o pisca-pisca era no embrulho, deu trabalho mas ficou bonito. Ficou e ficará assim, pois ninguém mais habita este cômodo. Continua abafado e quente, cozinhando calmamente aquele que cogita o sentido comum de tentar ser alguém que outrora fora conforme dito antes entre linhas e entre amigos, que já não estão nas fotos que guardei, nem nas lembranças que registrei. Amigos que se vão jamais ficarão, pois aqueles que vivem em mim estarão comigo para sempre. 
 Sei lá. Essas coisas de amizades que se duram, que se juram, são bem questionáveis. Como um bom vinho ou até mesmo uma catuaba, que pode ser in natura ou gelada, mas deixam sempre aquele sabor agridoce. 



Comentários

  1. Adorei ! Parabéns pelas belas palavras, irei vir por aqui mais vezes.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Eu fui à praia sozinho.