Você.


Você sabe que gosto da cor da sua pele, da sua barba e desse sotaque aí, mas não sabe que gosto quando você conta as estrelas, e que te acho tão lindo quando tenta me dizer a imensidão da via láctea e fica bravo por não conseguir. O infinito poderia não existir, mas tua barba, ao me tocar, estende qualquer noite quente de um coração ferozmente frio. Como hoje, quando acordei e não te vi do lado direito da cama, pensei por um minuto que todos os cabelos puxados e a imagem da tua tatuagem cravada na altura dos meus olhos foram apenas sonho, mas aí escuto de longe você falando que durmo demais e que a sua mania de tomar café logo quando acorda se encaixa perfeitamente com meu bom gosto de viver movida ao mesmo líquido. Me fez perceber que posso ficar alguns dias sem tomar café, mas que passar uma semana sem sentir o gosto dos teus lábios é a maior tortura de todos os últimos meses.
Eu implorava para não rires das minhas caretas, mas no fundo gostava do sorriso que lhe proporcionava, pois um eclipse lunar nunca seria tão lindo quanto o reflexo dos teus olhos ao me olhar. De tantos verões que eu desejava sair ao sol, hoje desejo ficar em uma sombra ao teu lado. De anos, apenas meses ao teu lado fariam uma vida vazia se tornar completa, e ruins seriam os dias que tua respiração não ecoaria pela casa calmamente quieta. Que da minha vida, parte dela se encontrava em tua alma e epiderme. E que do meu sorriso, uma força do destino guiou-o em tua direção, me fez deixar de ser eu, pra ser tua, e reinventou tudo o que eu pensava em apenas no que se define o que temos, o que teremos, o que nos tornaremos.
E me satisfez ao concluir que o importante é o que somos agora.
Somos dois em um.
Um em dois.



-Laís Heidemann.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Eu fui à praia sozinho.