Nictofilia


 A madrugada ainda que sombria é o que clareia a minha mente. 

 Por mais ensolarado que seja o dia, por mais chuvosa que seja a tarde, por mais encantador que seja o crepúsculo ou o majestoso alvorecer, a madrugada - o pós noite - é o que me faz viver melhor.
 A noite é feita para o descanso, pois dela não deriva a luz da vida, não é seguro andar pelas ruas ou trilhas, os caminhos são traiçoeiros e os desejos hostis. Mas é na noite que a verdade cai leve, a alma se despe sem pudor, o riso é abafado por simples receio. É no mais frio momento do dia que a lágrima deixa de cair, o suspiro se torna alento, o café esquenta o corpo, o pensamento erradica a ação, as estrelas brilham ao piscar dos olhos.
 A madrugada foi feita para o ansioso que perde o sono, para o que acredita na juventude ainda que tardia, para os pais que aguardam os filhos voltarem das festas e comemorações, para os amantes que furtivos entram nas sombram para roubarem beijos e carícias, para o trabalhador que vê nesta hora a única forma de provimento do alimento para a família, foi feita também para o neném que berra fome a cada duas horas, para os viajantes que pousam aqui e ali cruzando cidades. A madrugada foi feita para mim que vejo nela a beleza do silêncio que grita minha sorte, foi feita para você que estuda para uma avaliação importante, foi feita para dormir bem, abraçado ou sozinho, foi feita para dançar como se o mundo fosse acabar, foi feita para nós conversarmos sobre você, eu, nós, eles, sobre as coisas, o universo e tudo mais. 

Na madrugada não há certo ou errado.

 Para os apreciadores desse momento não existente, o limbo entre a vida das pessoas, onde os sonhos acontecem, para nós desejo todo o caos que a paz dessas horas causam. Desejo toda a confusão serena, a alegria angustiante, o azar de acertar, o mordiscar de um beijo, uma saudação de saudade. Porque a madrugada é sombria, escura e fria, mas seus adoradores são contraditos. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Quando bate aquela saudade.