Apollo 11


       Astronautas do universo comum, onde cada planeta é uma pessoa. Cada sistema é uma família ou grupo de amigos. Os astronautas ou apenas exploradores, vão desbravando o universo em busca de algo, que nem eles sabem o que seria.
       "Você poderia ter sido o único, mais fez questão de ser apenas mais um." São palavras dos habitantes de um planeta quando ver o explorador indo em busca do seu algo em outro planeta. Elas sempre foram assim, pode até ser um vício, mas geralmente é levianidade ou apenas frustração própria. Vagam o universo sondando planetas diferentes, pela simples arte de descobrir, circulando atmosferas calmas ou hostis, até conseguir o que querem. Explorar.
       Adentram no planeta com toda cautela, mas já tentando colonizar e ganhar espaço por todo o tempo possível que lhes interessar, enquanto tiver interesse específico ficará ali absolvendo e estudando todo o potencial daquele planeta que pode ter muito a oferecer. Mas, por mais recursos que este planeta tenha e toda uma inovadora tecnologia de forma ao pensamento, nunca é suficiente para o Explorador, fazendo-o ir em busca de outro planeta diferente.
       Esses seres encantadores e prometedores dos mais (im)possíveis fatos, não sabem ao certo o que querem, por isso buscam em determinados planetas algo que o faça crescer, algo que valore seus status ou condição psico-social. São pesquisadores de si, aglomerando recursos de planetas distintos, podendo passar pequenas ou longas temporadas de pesquisas e visitação desde a maravilhosa vista do mar até as mais profundas grutas do obscuro eu planetário. Tudo dependerá do elemento que esse explorador busca no momento, após a descoberta e a colheita de amostra, passará para a análise e só assim começará a sondar outros planetas.
       Mas não preocupa-te, esses astronautas de sentimentos só deixam o planeta atual quando já tem um pronto para recebê-lo e, para isso, é necessário algum tempo de sondagem. E depois você de incrível planeta promissor, logo será uma estrela distante, mas o importante na vida não é ser uma estrela, é acima de tudo saber brilhar. Fazendo com que a permanência desse indivíduo em suas terras não tenha sido total mentira, mas fonte de aprendizado e melhorias atmosféricas que detenham tais oportunistas.
       Quando o planeta tiver experiência suficiente, a atmosfera matará o interesse infantil do invasor, fazendo-o morrer as expectativas antes de chagar ao solo. Uma missão para ele falha e para nós vitoriosa. A tentação surge e poderemos sucumbir nossas defesas, porém temos que saber o que queremos e criar delimitadores para espantar tais curiosos. Tudo na vida depende de uma ideia inteligente e de uma decisão firme.
       

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Eu fui à praia sozinho.