Sorria :)

 Os meios eletrônicos são ótimos artifícios. Basta colocar uma carinha feliz e todos acham que está tudo bem.

 Em verdade vos digo, não tenho motivo aparente para minha tristeza. Porém, posso te dar mil razões para uma infelicidade corriqueira. Não se tratando de mágoa, apenas de pensamentos de valores, e por esses valores me pego em situações que nem eu sei o que fazer.

 Trocando figurinhas com uma amiga, acabei por ser chamado de pecador. Sei que fui muito malino em minha decisão e que agi sem nenhum escrúpulo, mas eu fui no risco. Risco total. Me aventurei em algo que sabia que já era uma terra hostil, uma lama que só fazia afundar, e mesmo ligando o "foda-se" quando passou a fase do risco, meus valores me encararam e me chamaram para conversar.

 Agora tudo o que eu faço remete em remorso, dores de consciência, xingamentos alheios. Tudo gira em um relacionamento de mentira, de duplo sentido, de usurpação. Seria esse o motivo a qual em me pego rodeado de dúvidas sarcásticas? Não sei dizer por agora, o bom que é só dizer que "estou bem", que tudo não passa dali. A omissão do dia conturbado se faz em um "foi normal", e assim os dias vão passando.

 Sorrindo sempre, engulo a dor de uma alma corrompida pelo caos familiar. Sem apoio, sem confiar, vago livre e sem destino, sorrindo e tirando onda de tudo e todos. Quando paro por um momento eu percebo o quanto é triste, não ter ninguém de confiança para conversar sobre os meus sentimentos, as minhas verdades. Tudo o que eu queria era poder conversar com alguém que não usará aquilo contra mim. O que é tão mais difícil é falar sobre as coisas mundanas sem ouvir críticas tolas que são perfuradoras de esperança, contar algo sem ouvir que "não é assim". Por que as pessoas não escutam só por ouvir?, Não precisam questionar tudo,  apenas ouvir, nem que seja sobre elas, mas é aquilo que sinto e sentimento não é medido, não é restrito, ele é aquilo que é, e pronto.

 Não seria justo também vomitar qualquer pensamento em pessoas poucas, mesmo elas se mostrando presentes só para aquilo. Sentar ao lado de quem chora e ficar ali, ficar ali parado ao lado dela fará mais efeito que palavras de conforto, fará mais efeito que frases questionadoras. Não é o que você faz, mas como você faz. Tornando tudo positivo ou negativo por um simples ato.

 Creio que se eu pudesse fazer diferente eu faria, mas o perióstraco é de difícil acesso e com um controle moderado do tempo e ações é que possível uma abertura para tal fenda. Raro mesmo é conseguir suportar, de ambas as partes, o sacrifício para alcançar o nácar.

 Remetendo-me aos botões, tudo vai retornando ao controle normal, e embora demore um pouco para a realidade se fazer presente, enquanto os antipsicóticos não chegam, perco tempo em mundos paralelos, de felicidade e vazio. Sem momento certo para cada, sem auxílio de ida ou vinda. Apenas acontecendo e tentando manter a mínima ordem entre interno e externo para que eu não me machuque outra vez, para que não obtenha outras falhas maiores no mundo acadêmico, para que não mate um sentimento de amor que custa a se acalmar... Embora acredite que este não fique aí por muito tempo do jeito que as coisas andam, mas enfim, vamos sorrir que lá vem gente e não queremos começar um diálogo com um breve "O que foi que aconteceu?". Como se isso servisse de alguma coisa, como se realmente está ligando pra o que você tem, como se alguém fosse entender que você quer que o mundo apenas desapareça.

 Sorria!

 Por mais que a vida esteja decepcionante, por mais dores que tenhamos, por mais sentimentos destruídos por alguém, sorria. E quando puder chore, é a única forma que eu conheço de realmente colocar o sentimento ruim para fora de forma que ninguém questione os porquês, a única forma de se sentir mais leve. Mesmo que seja debaixo do chuveiro, mesmo que seja no silêncio da madrugada, mesmo que seja vendo um filme triste para tê-lo em desculpa, nada importa contanto que você se sinta bem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Eu fui à praia sozinho.