I've Lost My Way


 Ao me deparar com o fracasso de uma consiliação de desejos e afetos, me dei conta do impossível, que é essa tal junção de fatos, casos e sentimentos. juntei pedaços dos passados, as conquistas e falhas. Percebi que eu nunca fui transformado, mas sempre fui o agente transformador. O que eu fiz? Apenas respirei fundo, olhei para trás e gritei: FODA-SE!

 Eu perdi o meu jeito. Perdi o meu caminho. Perdi tudo.

 O que eu tenho hoje não dá para reconstruir metade do que eu perdi. Tomei posse de todo o desespero latente de alguém que não temia nada, que não queria nada, que existia e nunca se permitiu o impossível. Tudo começou a queimar. O interno se revirava, o externo era vazio, logo tomava forma, espaço, mentalidade... estava vivo... vivo.


Era quente quando eu acordei naquele dia de primavera, mas eu sabia o que estava por vir. No banheiro daquela casa, lavei o rosto, fiz a barba, escovei os dentes e fui ao chuveiro. A água quente caia e derramara em mim todo o seu poder de limpeza. Em câmera lenta habitei um cúbiculo de potencial sublimação, era apenas torpor. Os pensamentos do meio invisível era tão poderoso e tão convincente que me fez perceber o quanto eu estivera errado, o vapor me mostrara como agir a partir dalí. Os quadros do subconciente eram explícitos e sua movimentação naquela porta de vidro era, assim, inconfundível.


Quando não se tem um ponto de restauração, qualquer dano é irrecuperação e devastador. Me dei conta que era tão simples liberar a fúria, leia-se desejo, de vivência. Foi um dos banhos mais restauradores da minha vida, perdendo apenas para aquele no qual eu quase morri depois de tanto bater e panhar em uma briga. Decidi depois disso, tudo eu deveria tomar como ponto de caos, era ou SIM ou NÃO, era AGORA ou NUNCA, 8 ou 80.

 Não se pode criar possibilidades, apenas seguí-las. Para seguir algo, deve-se primeiro saber onde se encontra. Estou em busca dessa tal possiblidade que me abriu os olhos, porém não tão inocente como antes, me tornando mais um na multidão que faz o caos.
 Posso deixar a luz um pouco, talvez nunca volte das trevas. Talvez me torne uma pessoa perversa, intragável e não mais inexorável, mas eu tenho que tentar, tenho que me agarrar a ponta de esperença no outro lado para poder finalmente dar um basta nesta coisa chamada turbilhamento de cobiça afetiva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Eu fui à praia sozinho.