The Ex One

 Quando nós gostamos de alguém, sempre temos plena convicção que possamos ser tudo o que aquela pessoa precisa, podemos ser até o ar que ela respira, o chão que ela pisa, a água que ela bebe... Mas e se você não pensa assim, mas quer mostrar que você vale a pena?
 Não sou a melhor pessoa do mundo, nem a pior, sou apenas eu. E disso eu tenho plena convicção que já é muito problema e muita solução, uma confusão entre complexo e simples, gentil e rude, reflexivo e prático. Um verdadeiro Black in White.

 Estou escrevendo, por dois motivos: 1. Por não ter como me desvincular de forma imediata, até porque foi difícil acreditar que seria possível, mas ainda assim fiquei segurando esse nó e desatando aos poucos. 2. Por ter certeza que eu não sou uma pessoa para relacionamentos, isso é um fato comprovado científicamente.
 Se você olhar direito verá que eu não tenho nada a oferecer, meu mundo é totalmente alienígena, minha época é antiga, meus valores são ultrapassados e minha história de vida é bem radical (já aconteceu de um tudo). Pergunto porque alguém em sã capacidade mental iria em busca de alguém como eu, mas é claro que não vai. 

Gosto literário abrangente, RPG/Card game, sede de aventura radical, aptidão de aprendizagem, cultura geral e alternativa, músicas inglesas, filmes diversos, séries famosas, leitura dinâmica, humor negro, sarcasmo, atividade física, sedentarismo aplicado, viagem astral, realismo concretista, sinceridade ácida, falsidade cínica, chateação alheia, ridicularização de populares, amizade inabalável, pensamentos contestáveis, frívolo e rude, reflexões infinitas... 

São tantos defeitos e qualidades difusos numa pessoa que parece que pegaram um punhado de coisas que ninguém "quer" e jogou numa só alma. E nada disso adiantou, adianta ou adiantará perante meus pontos de vista que foram aguçadamente aperfeiçoados. Não deixo de acreditar nas possibilidades, apenas fechei essa que já não me dói.   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Quando bate aquela saudade.