Caves/Rocks/Me

Me perguntaram uma vez se eu existia, pois na net pareço FAKE e conversando pessoalmente não sou nada do que dizem sobre mim. Pergunto a vocês que lêem meu diário virtual, Sou alguém tão flexível ao ponto de ser vários em um só? Ou será que as pessoas rotulam e não são capazes de sobrepor a realidade?
Cito sempre em meus conselhos que: "Vivemos num mundo de possibilidades", então, claro que, serei o primeiro a demonstrar quão possível é este mundo. Não se enganem, estou falando no contexto geral e não emocional.
Sempre que queremos aprender algo, procuramos logo seu conceito, qual seria o conceito pra mim então? Será que eu teria um? Será que conceito é realmente o que define algo?
Olha, não é sempre que faço isso, mas por hoje vou me classificar:
Apesar de nunca ouvir um comentário sequer sobre mim, além (lógico) os da minha mãe, então vou falar o que me vem de real. Sei que sou especial. Isso basta.
Não adianta você estabelecer parâmetros sobre alguém e depois chegar a dizer "Nossa","Eu nunca que esperava isso","É ele tinha cara que ia fazer isso","Ninguém nunca suspeitaria"... Vejo tanto isso aparecer nos telejornais que me faz parar pra pensar e dizer: Todo mundo muda o tempo todo, pra melhor e pior, por quê as pessoas ainda se fazem de tolas e se deixam enganar. Uma criança fumando cigarro comum foi o fim do mundo por semanas, uma bebê viciado em crack foi notícia de um dia. Agora pergunto quem dá a importância devida somos nós ou eles?
Cada um tem o mundo que vislumbra todos os dias de realidades diferentes. Somos como exploradores de cavernas, que por mais que saibamos que é uma caverna, nos encantamos ou nos amedrontamos. O que não podemos é esquecer que é uma caverna, e tudo pode acontecer, só não podemos deixar de explorá-la por temer o desconhecido, ou se deixar titubear pelo óbvio.
Vamos até o fundo do conhecimento empírico, científico e espiritual, e assim, quem sabe um dia diremos juntos: Aconteceu, mas sabemos como agir!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Faça amor nu.

Faça Amor, Não Faça A Barba!

Quando bate aquela saudade.